2011

Casa da Escrita

Coimbra – Portugal

 

Author

João Mendes Ribeiro / site

pt
A Casa do Arco, actual Casa da Escrita, situa-se na Alta de Coimbra, na proximidade da Torre do Anto, e insere-se num conjunto urbano denso, de ruas estreitas e sinuosas, predominantemente habitacional.
O programa para a Casa da Escrita previa a reutilização contemporânea do edifício, com a sua adaptação a novas funções, conciliando valores patrimoniais e simbólicos com os actuais requisitos técnicos e de conforto e flexibilidade. A flexibilidade, entendida não como a antecipação exaustiva de todas as mudanças possíveis, mas sim como a aptidão para uma ampla margem de usos e interpretações, materializa-se, na Casa da Escrita, no «esvaziamento» e depuração formal dos espaços de habitação, tornando-os disponíveis para novos usos.
Mantendo, no essencial, a complexidade orgânica na distribuição dos espaços interiores, gerada pela sobreposição de zonas públicas e privadas, dispõe-se, actualmente, de espaços amplos e flexíveis, capazes de acolher a diversidade de conteúdos e actividades ligadas à escrita, bem como as acções espontâneas dos habitantes da Casa. Foi, no entanto, necessário introduzir nessa estrutura orgânica um sistema racional de acessos e comunicações verticais, espaços de serviço e infraestruturas técnicas, em resposta aos novos requisitos funcionais.
A ala sul do edifício, ao nível do piso térreo, integra três novos espaços relacionados entre si que correspondem à cozinha, aos acessos verticais (escada e elevador) e às instalações sanitárias. Estas dependências ocupam um volume compacto e independente, integralmente construído em madeira.
Junto à entrada principal, no piso térreo, fica a livraria, cuja configuração, baseada no uso de estantes rotativas, pode ser facil­mente alterada, transformando-a, por exemplo, num espaço para exposições.
No primeiro andar, localizam-se os salões correspondentes à ala do século XIX, a partir dos quais se faz o acesso aos jardins. Essas salas são actualmente ocupadas pela biblioteca, auditório e sala de refeições. Na ala sul, as salas menores destinam-se aos espaços de residência temporária de artistas, que incluem um quarto com casa de banho e uma sala de trabalho, que poderá ser convertida num quarto adicional.
No piso superior, o salão nobre mantém a sua configuração geral, mas a sua caracterização foi significativamente alterada com a pintura integral, a branco, de tectos, paredes e de todas as peças de madeira. Esta solução, que se estende a toda a Casa, permitiu caracterizar um ambiente uniformemente luminoso e ligeiro, contrastante com a ambiência anterior à remodelação. O sótão é composto por uma sala única que acolhe o arquivo ­activo e três nichos para consulta individual de documentação, sob as novas mansardas rasgadas na cobertura.
Todo o mobiliário da Casa foi seleccionado por forma a proporcionar a adequação dos espaços ao novo programa funcional e a um público alargado, sem, no entanto, anular a referência ao espaço original e ao ambiente de conforto e intimidade da habitação.

en
Casa do Arco, now Casa da Escrita, is located in the Alta of Coimbra, not far from Torre do Anto, and integrates a dense urban setting of narrow, winding and predominantly residential streets.
The program for Casa da Escrita called for the contemporary reuse of the building, adapting it to new functions and reconciling patrimonial and symbolic values with the present technical demands for comfort and flexibility. At Casa da Escrita, flexibility, seen as the suitability for a wide range of uses and readings, and not as the exhaustive anticipation of all possible changes, is embodied in the “emptying” and formal simplification of the living spaces, making them suitable for new uses.
While essentially keeping the organic complexity in the distribution of the inside spaces, which arises from overlapping public and private areas, wide and flexible spaces are obtained. These can house a diversity of contents and activities related to writing and the spontaneous undertakings of the house ­occupants. It was, however, necessary to introduce in this organic structure a rational system of accesses and vertical communications, utility spaces as well as technical infrastructure to accommodate the new functional requirements.
The south wing of the building, at ground level, incorporates three new interrelated areas, which coincide with the kitchen, the vertical accesses (staircase and elevator) and the restrooms. These structures translate into a compact and separate volume, completely built of wood.
The bookshop, which is located by the main entrance, on the ground floor, uses rotating bookshelves, allowing the spatial configuration to be easily altered to adapt the area for exhibitions, for example.
The rooms corresponding to the 19th century wing are located on the first floor, from which access to the gardens is possible. These rooms are presently used for the library, auditorium and dining room. On the south wing, the smaller rooms are meant as temporary residences for writers, including a bedroom with ensuite bathroom and study, which can also be converted into an additional bedroom.
On the top floor, the great hall has kept its overall configuration, although its aspect has been significantly changed by means of painting all ceilings, walls and wooden parts completely in white. This solution, which extends through the entire house, has allowed for a uniformly luminous and light environment as opposed to that existing before the refurbishing. The attic is composed of a single room which houses the active archive and three reading corners for individual consultation of documentation, all under the new roof mansards.
All the furniture of Casa da Escrita was selected in order to provide the adequacy of the spaces to the new functional ­program and to a wide audience, although preserving the reference to the original space and the atmosphere of comfort and intimacy of the House.